Bonito (MS) sedia II Inspira Ecoturismo

Bonito (MS), um dos principais destinos brasileiros de ecoturismo e turismo de aventura, sediará entre os dias 16 e 20 de maio o II Inspira Ecoturismo, evento promovido pelo Sebrae. O objetivo do encontro é apresentar aos participantes do evento oportunidades e histórias de sucessos de pequenos negócios que atuam nesse mercado. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo site do evento.

“O Brasil ocupa hoje a terceira posição de atrativos naturais no ranking do Fórum Econômico Mundial e, por isso, é tão importante que preparemos os donos de pequenos negócios para aproveitarem melhor essas oportunidades e também oferecerem para seus clientes um turismo seguro e sustentável”, comenta a coordenadora de Turismo do Sebrae, Ana Clévia.

De acordo com ela, a iniciativa surgiu com o principal foco de fomentar o empreendedorismo e a inovação, além do relacionamento entre gestores de destinos com vocação para turismo sustentável. “Os participantes do evento irão mergulhar nos novos conceitos e boas práticas de gestão pública e privada do Ecoturismo e do Turismo de Natureza. Serão repassados conhecimentos, tendências e boas práticas compartilhados por aqueles que são referência em empreendimentos e atividades do Ecoturismo”, destaca Ana Clévia.

Telcio Barboza, gestor do Polo SEBRAE de Ecoturismo, destaca que o evento é uma das principais entregas do projeto, uma vez que visa reunir as partes interessadas do segmento do Ecoturismo para discussões e disseminação de conhecimentos relativos ao tema e assim contribuir para o desenvolvimento do segmento que tem no Brasil um grande potencial de geração de emprego e renda, por meio do empreendedorismo e dos pequenos negócios.

Histórico

O 1º Seminário Internacional Inspira Ecoturismo, organizado pelo Polo Sebrae de Ecoturismo, aconteceu em 2022. O evento, que reuniu mais de 1,1 mil pessoas nas versões on-line e presencial, teve como objetivo fomentar o ecoturismo e promover o debate das principais tendências e desafios do segmento. Ano passado, o evento contou com a presença de autoridades e profissionais do trade de 25 estados diferentes, seis caravanas do Mato Grosso do Sul e quatro países.

A iniciativa tem apoio do Ministério do Turismo, Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, a Prefeitura de Bonito, da Fundação de Turismo do MS, além de associação como a Braztoa, entre outras entidades.

Papo Sebrae Finanças: próximo tema será “Como tornar a educação financeira um hábito?”

Dando continuidade à série Papo Sebrae de Finanças, está confirmada mais uma live nesta terça-feira (9), às 19h, com o tema “Como tornar a educação financeira um hábito?”. O primeiro episódio, que tratou sobre “Microcrédito”, contou com mais de 4 mil visualizações.

Os convidados da vez são a youtuber Gabi Chaves, que atua com educação financeira para minorias e já formou mais de 5000 alunos no Canal NoFront, e a empreendedora Amanda Coelho, conhecida como Diva Green, que empreende desde os 14 anos, quando fazia tranças na comunidade. Hoje, assina trabalhos para artistas de sucesso como Negra Li e Pitty.

Não perca! 

Como montar uma Barbearia

Pesquisas têm demonstrado que o setor de beleza masculino vem crescendo em todo o planeta. E, provavelmente, o Brasil é o país em que os homens mais têm investido em cuidados com sua saúde e estética.

Seguindo essa tendência do mercado, as barbearias começaram a ganhar cada vez mais espaço tanto no centro das cidades quanto em bairro residenciais. Enquanto algumas restringem-se a corte de cabelo e barba, outras têm oferecido serviços variados para agradar ao público crescente. Quer descobrir se esse negócio serve para você?

O que é uma barbearia?

A barbearia é o local de trabalho dos profissionais chamados barbeiros, que, tradicionalmente, cuidam da barba, cabelo e bigode do público masculino. No entanto, a maioria dos estabelecimento da atualidade vem oferecendo muito mais do que o simples serviço de barbeiro.

Algumas barbearias proporcionam outros serviços de beleza e saúde, como hidratação e tingimento de cabelo, limpeza de pele, manicure, pedicure, entre outros. Muitas delas são espécies de SPAs voltado a homens e meninos.

Há ainda, estabelecimento que contêm jogos, como sinuca ou cartas, drinques, chope, às vezes até serviços de tatuadores. E vários disponibilizam o “Dia do Noivo”, com cuidados e serviços especiais para o noivo e os padrinhos no Grande Dia.

Como montar uma Barbearia

Vantagens de montar uma barbearia

Talvez a maior vantagem de ter uma barbearia é que, diferentemente de um produto ou serviço que possa cair de moda ou ser descontinuado, os homens sempre precisarão cortar cabelo e fazer a barba. Então, a menos que sejam muito habilidosos no manejo das lâminas, seus clientes sempre precisarão de atendimento.

Um dos principais benefícios de ser um barbeiro é que você pode trabalhar a sua criatividade. Porque, mesmo que a maioria dos clientes queira um corte ou um formato de barba mais simples, sempre haverá aquele  que quer algo diferente e moderno. E isso lhe permite expandir sua habilidade bem como seu portfólio.

Outra vantagem é que o barbeiro é seu próprio chefe. Embora exija bastante, você sempre poderá controlar seus horários e expediente, escolher os clientes, determinar quando serão suas férias etc.

E, claro, uma das coisas mais legais é o contato que você tem com os mais diversos tipos de pessoas. O barbeiro é um ser social, que atende seus clientes em momentos de relaxamento e descontração.

Portanto, você poderá conversar com uma ampla variedade de clientes, a respeito de assuntos diversificados, sejam projetos pessoais, música, filmes ou qualquer outra coisa – que não gere polêmica e discussão na barbearia!

Desafios de montar uma barbearia

Umas das desvantagens de ser um barbeiro é ter de trabalhar de pé o tempo todo. O seu serviço depende essencialmente de você. Trata-se de um trabalho manual e artesanal, portanto, será bastante cansativo.

Outra dificuldade do barbeiro é depender essencialmente do tempo investido no trabalho para receber. Se não trabalha, não recebe. Claro que isso muda quando você é o dono do estabelecimento e contrata funcionários para executar o serviço. Mas, no início, normalmente você é o chefe e o restante da equipe.

E falando em chefe, você tem total responsabilidade sobre o que acontece em seu negócio. Isso inclui o design da barba e cabelo, bem como possíveis machucados, manchas etc. E isso independe de o serviço ter sido executado por você ou por outra pessoa da equipe.

Além disso, embora você possa escolher por quanto tempo trabalhar, os dias mais ocupados sempre serão nos fins de semana e feriados. Então, se você quiser evitar esses dias, não espere um retorno muito alto.

Por fim, sendo um mercado cada vez mais crescente, isso significa que a clientela potencial tem aumentado – mas a concorrência acompanha em proporção quase igual. Então, prepare-se para caprichar no serviço bem como nos diferenciais de seu negócio.

Capital Inicial Estimado

Segundo estimativas do Sebrae, o capital inicial necessário para viabilização de um negócio de barbearia varia de 20 a 40 mil reais. Esse valor compreende os custos para abertura do estabelecimento bem como um capital de giro que o sustente até que ele comece a gerar lucro.

Esse aporte abrange mobília, equipamentos e utensílios (escovas, lâminas, secadores etc.), um estoque inicial de produtos de saúde e cosmética, espelhos, aparelhos eletrônicos (computador, telefone, modem etc.), reformas que possam se fazer necessárias no imóvel, além de despesas com contabilidade, publicidade e arquitetura.

A variação de valor obviamente está ligada ao tamanho da operação que você pretende iniciar. Quanto maior o espaço e maior a variedade de serviços ofertados, maior será o capital estimado para viabilização do negócio.

Como montar uma Barbearia

Como abrir uma barbearia

Localização

A (má) escolha da localização é fator frequente para o encerramento de uma operação. Para defini-la com sucesso, você precisa levar em conta o tamanho do negócio que você quer começar, o público para o qual se destina e, ainda, o preço do imóvel (compra ou aluguel).

Uma boa localização sempre envolve visibilidade, acesso fácil e segurança. Uma barbearia precisa ser instalada em um bairro populoso, no centro da cidade, em ruas de bastante movimento ou junto a locais com alto fluxo de pessoas, como shoppings, condomínios ou supermercados. Também é interessante que haja espaço para estacionamento nas proximidades.

Ainda, é importante observar se na região escolhida há muitos concorrentes e quais os preços praticados pela concorrência. Lembre-se que os seus valores deverão estar de acordo com o público de sua barbearia – e a região onde ela estiver estabelecida será preponderante na precificação dos serviços.

O imóvel também precisa combinar com a operação. No caso de uma barbearia, por exemplo, é possível que haja pico de serviço, como nos finais de semana. Isso significa que precisa haver um espaço confortável e agradável para quem está na fila de espera.

Verifique, portanto, se o imóvel escolhido comporta tudo o que você pretende oferecer em seu estabelecimento. E não esqueça de checar infraestrutura, como rede de esgoto, comunicação e transporte.

Estrutura

A estrutura da barbearia também irá depender do tamanho da operação pretendida e da variedade de produtos e serviços ofertados, bem como da quantidade de profissionais disponíveis.

Um estabelecimento pequeno, por exemplo, dispensa recepção. Pode ser apenas o espaço de atendimento, mais uma área para espera e um banheiro. Para um modelo mais completo, podem ser necessários outros ambientes, tais como recepção, espaço de jogos, depósito, sala de espera, sala de TV, estacionamento, entre outros.

Por fim, lembre-se que a iluminação deve ser bem planejada, pois será essencial para uma boa execução dos serviços, especialmente para precisão dos detalhes de corte e barba.

Principais Fornecedores

O seu quadro de fornecedores será formado, basicamente, por vendedores e distribuidores das matérias-primas essenciais da barbearia. Trata-se de cosméticos e produtos de beleza, tais como creme de barbear, pós-barba, hidratante, xampu, talco, algodão, álcool, tintura e condicionador (se você atender cabelo também), além de ferramentas como lâminas de barbear, navalhas, pentes, escovas, aparelhos barbeadores, entre outros.

Caso você opte pode revender os produtos para os clientes manterem os cuidados em casa, então você também deve escolher que tipo de mercadoria ficará exposta para os consumidores.

Lembre-se que o ideal é que o giro dos estoques seja baixo, com uma quantidade mínima de mercadorias paradas, para gerar o menor impacto possível em seu capital. Observe a validade dos produtos e a frequência de uso para programar-se da melhor forma possível.

E nunca se esqueça que a qualidade do material que você utiliza em seus serviços tem relação direta com a satisfação do cliente e a possibilidade de fidelização, principalmente. Então, ao escolher sua matéria-prima e fornecedores, calcule o custo-benefício tendo isso em mente.

Como montar uma Barbearia

Como abrir uma empresa

Caso você queira que a sua barbearia receba o dinheiro e emita nota fiscal, você deverá abrir a sua empresa legalmente. Nós temos um post detalhando cada etapa da abertura de uma empresa, mas aqui vamos aproveitar para listas os principais pontos:

  1. Criação do Contrato Social
  2. Registro na Junta Comercial
  3. Emissão do CNPJ e Escolha de Atividade
  4. Inscrição Municipal e Estadual
  5. Alvarás de Funcionamento
  6. Licenças

Dicas Especiais para Novos Negócios

Como demonstrado, abrir uma barbearia é relativamente simples e barato. No entanto, apenas aqueles que encararem seus espaços como negócios completos, conseguirão sobreviver e lucrar. Por isso, vou listar abaixo algumas dicas especiais para quem quer realmente empreender.

1) Defina um Segmento de Clientes BEM ESPECÍFICO

Como comentando anteriormente, não existe nenhum negócio bem-sucedido que não definiu bem a sua área de atuação e o seu cliente alvo. Você vai ter que lutar para as clientes entrarem em seu estabelecimento e vai ter que gastar dinheiro com isso. Não caia no erro de falar “Todos são meus clientes”, pois isso é o começo do fim. Mergulhe nesse tema lendo nosso post de segmentação de mercado.

2) Crie uma Diferenciação (Especialidade)

Ao se definir um segmento específico, você vai conseguir mexer na sua oferta de valor, entregando algo único e memorável. Para isso, recomendo que você desenhe seu modelo de negócio e também faça a sua curva de valor! 

3) Calcule o Retorno Esperado do seu Negócio

“Quem não faz a conta, paga a conta.” Essa é uma máxima do mundo dos negócios. Sem estimar o seu retorno desejado e o que potencial que sua barbearia pode trazer, você vai ficar à deriva. Para isso, você vai precisar precificar muito bem seus produtos e fazer um estudo de viabilidade econômica do seu projeto.

Como montar uma Barbearia

Planilhas para barbearia

Planilha de gestão de centros estéticos: para ajudar no seu controle e tomada de decisões. Você cadastra clientes, profissionais e serviços e tem acesso a todos os dados financeiros correspondentes.

Planilha de agendamentos: saiba quais clientes têm horário marcado, quantos atendimentos foram feitos no dia, na semana ou no mês, saiba o aniversário de seus clientes com antecedência e acompanhe o faturamento de seu empreendimento.

Planilha financeira: faça a gestão financeira, de estoque, de agenda e de serviços de sua barbearia e veja dashboards prontos para cada uma dessas áreas.

Planilha de controle administrativo: organize o fluxo de caixa e as finanças de sua barbearia e identifique as informações estratégicas do seu negócio.

 

Como montar um brechó

Independentemente do momento econômico, as lojas de revenda, também chamadas de brechós, podem ser uma escolha popular entre os compradores, os quais abrangem desde famílias com orçamentos limitados até colecionadores de peças de roupa em busca de seu próximo grande tesouro.

Se você estiver interessado em uma maneira divertida e potencialmente lucrativa de ganhar a vida, você pode começar um brechó seguindo alguns passos básicos.

O que é um brechó?

Um brechó é um estabelecimento de varejo que vende principalmente produtos usados, como roupas, calçados e acessórios. Os itens à venda geralmente foram obtidos gratuitamente ou a baixo custo, por isso as peças podem ser vendidos a preços bem competitivos.

Vantagens de montar um brechó

A maior vantagem de se ter um brechó são os baixos custos operacionais, o que pode impactar positivamente a lucratividade. Os clientes esperam uma experiência de compra “sem frescuras”, por isso não há necessidade de garantir uma loja sofisticada, em um shopping center ou fornecer muitos serviços adicionais.

Além disso, os brechós podem se sair especialmente bem durante as crises econômicas, quando os consumidores estão procurando por alternativas de baixo preço, em um esforço para economizar dinheiro.

Os proprietários também se beneficiam apelando para um segmento específico do mercado, incluindo indivíduos de baixa renda, estudantes, famílias com crianças pequenas, idosos com uma renda fixa ou qualquer outra pessoa com orçamento apertado.

Mas seu público não é só esse. Os brechós atraem os compradores do mercado de roupas vintage ou outros itens exclusivos que não conseguem encontrar em outro lugar. E também atraem colecionadores que estão em busca de itens raros que podem ter um valor significativo.

Se não bastasse, o brechó tem um apelo positivo à consciência social. Os clientes também podem ser atraídos pelo sentimento de satisfação resultante da obtenção das mercadorias que atendem às suas necessidades sem gastos excessivos.

Como montar um brechó

Desafio do Mercado

Ainda existe um certo preconceito em relação aos brechós, portanto, o grande desafio do mercado será vencer a resistência do consumidor, e mostrar que os itens usados estão em bom estado, por um preço acessível e merecem atenção.

Para isso, você precisará contar com produtos de qualidades – ainda que usados –, uma apresentação atraente, bom gosto, ampla variedade de artigos e preços, além, é claro, de atendimento eficiente e agradável.

Vale prestar atenção que, diferentemente de outros negócios, as pessoas que chegam à loja para vender suas próprias roupas usadas também serão seus clientes em potencial. Então, convém manter um bom relacionamento.

Por exemplo, se você não tem interesse na mercadoria que lhe está sendo oferecida, proponha deixá-la em consignação, ao invés de decliná-la simplesmente.

E lembre-se que a troca de estação é o momento que merece maior atenção ao mercado. Nesse período, as roupas recém-lançadas no varejo ainda estão muito caras.

Em compensação, cuidado com a época de liquidações em lojas convencionais, quando suas vendas podem registrar queda. Foco no estoque e fluxo de caixa.

Capital inicial estimado

Como qualquer outro negócio, o investimento inicial de seu brechó dependerá do tamanho, localização, estoque inicial, entre outras questões.

Em geral, suas despesas inicias abrangem: reformas, fachada, documentação para abertura da empresa, marketing, mobília e expositores, equipamentos de caixa, além dos próprios artigos para venda. Também deve incluir o capital de giro que manterá seu brechó funcionando até que ele comece a registrar lucro.

O Sebrae estima que esse capital inicial, para uma loja de 50m², possa girar em torno de 100 mil reais. Mas os custos podem ser muito menores conforme o tipo de operação que você pretende começar.

O importante é fazer um bom planejamento para colocar todas as contas na ponta do lápis.

Como montar um brechó

Como abrir um brechó

Localização

A localização é uma das chaves de seu sucesso. Procure uma região com bastante movimento, especialmente de pedestres. Ou seja, uma área central, com outras lojas e comércio, perto de paradas de ônibus ou estações de metrô. O importante é que você seja visto.

Centros comerciais movimentados também são uma boa opção. Mas avalie os custos de aluguel, reforma e etc.  

Uma maneira de saber se você está tomando a decisão correta sobre o local é fazer um passeio por ali em dias e horários em que você pretende estar aberto. Isso lhe dará uma ideia do trânsito de pedestres e clientes em potencial.

Também verifique se há outro brechó muito próximo do seu. Como o seu público tende a ser mais específico, não é positivo ter concorrência muito perto, porque isso irá dividir sua clientela, bem como seus fornecedores!

Apresentação

A aparência vende.  Há pessoas que abrem brechós cheios de mercadorias sujas e cheirando mal. Esses lugares perdem a maioria dos clientes e ganham uma má reputação.

A limpeza e a apresentação determinam seu mercado. Se as pessoas se sentirem à vontade em sua loja, elas ficarão por mais tempo e pagarão mais.

Por isso, lave todas as roupas que for colocar à venda, e mantenha prateleiras, pisos e janelas limpos também. Você precisa demonstrar que artigos usados não são a mesma coisa que velhos e malcuidados.

Preços

Respeite seu cliente com um preço razoável e não inflacionado. Esse número deve ser em média 1/4 do valor de varejo. Se uma saia custa R$ 100,00 nova, a sua usada não passa de R$ 25,00.

Além disso, observe há quanto tempo a mercadoria está em sua prateleira. Se você está com um item parado, ocupando espaço, e alguém lhe oferece mais da metade do que você está pedindo, venda. Seja honesto sobre o valor das coisas.

Como montar um brechó

Principais fornecedores

O estoque de um brechó deve ser mínimo e o empreendedor deve conhecer o perfil de seus consumidores para adquirir peças que satisfaçam os seus desejos de consumo.

Porém, de qualquer forma, é interessante sempre oferecer uma ampla variedade de produtos, tanto no que se refere a tipo, marca, época, tamanho etc.

Especificamente em um brechó, o fornecedor também é cliente, e vice-versa. Por isso, o relacionamento a ser mantido deve englobar as duas frentes. Mas, além das pessoas que procuram a loja para vender seus artigos pessoais, você por explorar pontas de estoques de fabricantes.

Outra opção é fazer contato com seguradoras. Quando uma carga é roubada e recuperada, os artigos encontrados são leiloados a valores mais baratos. Além desses, grandes confecções também vendem produtos com pequenos defeitos de fábrica a preços muito menores.

Por fim, lembre-se de estocar alguns itens essenciais para reformas de peças, como linhas, agulhas, elásticos, zíperes, botões e velcro.

Como abrir uma empresa

Caso você queira que a sua loja receba o dinheiro e emita nota fiscal, você deverá abrir a sua empresa legalmente. Nós temos um post detalhando cada etapa da abertura de uma empresa, mas aqui vamos aproveitar para listas os principais pontos:

  1. Criação do Contrato Social
  2. Registro na Junta Comercial
  3. Emissão do CNPJ e Escolha de Atividade
  4. Inscrição Municipal e Estadual
  5. Alvarás de Funcionamento
  6. Licenças
Como montar um brechó

Dicas especiais para novos negócios

Começar um novo negócio não é só conseguir colocar produtos à venda. Como demonstrado, abrir um brechó é fácil, simples e relativamente barato. Justamente por isso, existem centenas de milhares de pessoas tentando fazer dinheiro dessa maneira.

No entanto, apenas aqueles que encararem suas lojas como negócio completos, conseguirão sobreviver e lucrar. Por isso, vou listar abaixo algumas dicas especiais para quem quer realmente empreender.

1) Defina um Segmento de Clientes BEM ESPECÍFICO

Não existe nenhum negócio bem-sucedido que não definiu bem a sua área de atuação e o seu cliente alvo. Você vai ter que lutar para os clientes entrarem na sua loja e vai ter que gastar dinheiro com isso.

Não caia no erro de falar “Todos são meus clientes”, pois isso é o começo do fim. Mergulhe nesse tema lendo nosso post de segmentação de mercado.

2) Crie uma Diferenciação (Especialidade)

Em um mercado comoditizado, você vai ter problemas para vender produtos genéricos e, principalmente aqueles que os grandes players já atuam.

Ao se definir um segmento específico, você vai conseguir mexer na sua oferta de valor, entregando algo único e memorável. Para isso, recomendo que você desenhe seu modelo de negócio e também faça a sua curva de valor! 

3) Calcule o Retorno Esperado do seu Negócio

“Quem não faz a conta, paga a conta.” Essa é uma máxima do mundo dos negócios. Sem estimar o seu retorno desejado e o potencial que o seu brechó pode trazer, você vai ficar à deriva.

Para isso, você vai precisar precificar muito bem seus produtos e fazer um estudo de viabilidade econômica do seu projeto.

Como montar um brechó

Planilhas para brechós

Planilha de gestão e controle de estoque: controle cada produto cadastrado, sua quantidade atual no estoque, valor total e estoque mínimo. Visualize quantidades e valores totais de entradas, saídas e saldos ao final de cada mês. Acompanhe o gráfico de evolução e outros indicadores de controle de movimentações realizadas.

Planilha de gestão de contas a receber: organize todos os seus dados contábeis de contas a receber para gerenciar melhor os pagamentos dos seus clientes e, consequentemente, o fluxo de caixa da sua empresa.

Planilha de gestão de contas a pagar: cadastre todas as suas contas a pagar e atualize o andamento a cada pagamento realizado.

Planilha de fluxo de caixa: visualize rapidamente a saúde financeira do seu negócio para tomar decisões mais seguras, através de relatórios automáticos, classificação de contas e controle de status de pagamento.

Planilha de contas a pagar e receber e fluxo de caixa realizado: essa planilha integra o contas a pagar, contas a receber e o fluxo de caixa realizado. Apenas preencha os lançamentos, e a planilha oferecerá o resultado da empresa em tempo real.

Planilha de controle financeiro completo: esta planilha informa o grau de assertividade da sua projeção financeira, indicando margem de erro e itens com mais ou menos de 90% de proximidade com seu plano inicial.

Como montar uma esmalteria

Se você observar o número de salões de beleza, depilação, design de sobrancelhas, estéticas perceberá que o setor de beleza e cuidados com o corpo está sempre em crescimento. E esse cuidado com a beleza também se estende para nossas mãos e pés. Por isso, as esmalterias têm ganhado cada vez mais adeptos.

Isso também se reflete no mercado: se alguns anos atrás a gente só encontrava esmaltes vermelhos, rosas e de tons claros nas prateleiras do comércio, hoje são incontáveis as cores do produto. Isso sem falar nas bases, fortalecedores, secantes, adesivos e outros acessórios. Então, vamos conhecer um pouco mais desse negócio recente que vem ganhando espaço nas ruas.

O que é uma esmalteria

Uma esmalteria é um local especializado em serviços de manicure e pedicure, ou seja, em cuidados e embelezamento das unhas das mãos e dos pés, incluindo a aplicação de esmalte.

Além do serviço de esmaltação, esses empreendimentos podem oferecer alongamento de unhas, unhas artísticas, hidratação de pés e mãos, e comercialização de esmaltes e outros produtos para manicure e pedicure.

Ainda, alguns têm seus serviços ampliados para outras áreas de estética corporal, como depilação, design de sobrancelhas, maquiagem, cabeleireiros, massagem, entre outros.

Como montar uma esmalteria

Vantagens e Desvantagens

A grande vantagem de ter uma esmalteria é que se trata de um negócio muito estável, que oferece um fluxo de receita constante e consistente. Isso porque estamos falando de um serviço recorrente.

É muito raro que as pessoas vão a uma esmalteria uma vez só. Ao contrário, quando as unhas começam a perder a forma ou a cor, as clientes tendem a retornar ao estabelecimento para terem suas unhas embelezadas e cuidadas novamente.

Pesquisas estimam que mais de 80% das clientes voltam à esmalteria por questões de manutenção das unhas. No Brasil, a maioria das mulheres faz essa manutenção semanal ou quinzenalmente no que tange às unhas das mãos, e mensal ou bimestralmente no que se refere às unhas dos pés.

A desvantagem está na concorrência e também na limitação de tempo. Falamos em limitação de tempo, porque um profissional da esmalteria consegue atender apenas um determinado número de clientes dentro de um dia ou uma semana, e esse número não tem como aumentar individualmente.

Existe, portanto, um limite de tempo e, consequentemente, de lucro, por pessoa. Isso significa que, se você pretende ser a profissional que presta o serviço, tenha em mente o valor que você quer ou precisa ganhar por mês e tente estabelecer os preços dos serviços de acordo – observando, é claro, o valor de mercado de sua região.

Quanto à competição, trata-se de um segmento com ampla concorrência, já que há muitos profissionais que prestam esses serviços tanto em outras esmalterias, como também dentro de salões de beleza, casas de estética, em suas próprias casas e até autônomas, que vão até as residências das clientes.

Como montar uma esmalteria

Desafio do Mercado

O grande desafio do mercado das esmalterias é atrair novas clientes e, talvez mais que isso, ganhar a fidelidade delas. Primeiro porque suas clientes em potencial são as mulheres que fazem suas unhas foram de casa. E essas pessoas certamente já têm esse serviço sendo prestado por outro profissional ou local, até então.

Portanto, você terá de atrair aquelas clientes que, por algum motivo, estejam insatisfeitas com seu atual prestador de serviço e veem em você uma alternativa, mas também, despertar a curiosidade e interesse das demais.

Isso significa que você precisa oferecer um diferencial atraente, seja ele a localização e/ou estrutura de seu espaço, a qualidade de seus produtos e serviços, preço, ou um pouco de cada uma dessas coisas.

Depois que sua cliente pisou em seu estabelecimento, então o seu foco é ganhar a lealdade dela, para que ela continue voltando para manutenção do serviço. Em resumo: ofereça qualidade.

Sempre busque atender – e até superar – a expectativa de sua nova cliente, com um trabalho bem executado, com produtos de boa qualidade, processos de higiene rigorosos, além de um atendimento agradável e simpático.

Capital inicial estimado

É claro que o investimento inicial dependerá do tamanho da esmalteria, do número de clientes que pretende atender ao mesmo tempo, da gama de serviços que será ofertada, além da localização geográfica.

Se você montar uma esmalteria em sua casa, o capital inicial necessário será muito menor do que se você colocar seu estabelecimento dentro de um grande shopping center, por exemplo.

Para uma esmalteria de pequeno porte, com cerca de 50 m², você poderá precisar de cerca de 30 mil reais. Isso inclui compra de equipamentos, mobília e matéria prima, reformas, publicidade, além do capital de giro até que o empreendimento comece a gerar lucro.

Como montar uma esmalteria

Como abrir uma esmalteria (passo a passo)

Defina seus serviços

Antes de qualquer outra coisa, você precisa escolher que tipo de esmalteria você quer abrir. São serviços gerais de manicure e pedicure? Ou você irá oferecer alongamento de unhas? Unhas acrílicas? Esmaltação em gel? Esse é seu carro-chefe, portanto, é a primeira delimitação que você irá definir.

Depois, decida se haverá outros serviços agregados da área de estética, como depilação ou design de sobrancelhas. Você precisará ter isso em mente para escolher desde o imóvel, o layout do espaço, até os recursos humanos de que irá dispor.

Escolha seu público

Não se engane pensando que é a clientela que escolhe você, quando é o oposto que acontece. Ao escolher a região geográfica, a gama de serviços ofertados e inclusive o preço de cada um, você estará delimitando seu público.

Dessa forma, eleja um bairro onde você encontre a clientela pretendida e ofereça os serviços que atendam às necessidades desse grupo de pessoas, dentro do valor de mercado pelo qual elas estão dispostas e acostumadas a pagar.

Estabeleça sua localização

O ideal é que sua esmalteria fique em uma região com grande fluxo de pessoas, a pé ou de carro, e que seja um espaço acessível, isto é, com estações de metrô e paradas de ônibus nas cercanias, bem como possibilidade de estacionamento.

Também é interessante que você pense na segurança do espaço, já que seu público será preponderantemente de mulheres.

Principais fornecedores

A principal matéria-prima de uma esmalteria é, sem dúvida alguma, o esmalte. A escolha do seu fornecedor de esmaltes deve ser feita com bastante cuidado, observando-se a procedência dos produtos, inclusive se são aprovados pela ANVISA.

Além disso, é importante observar se os esmaltes adquiridos são hipoalergênicos, isto é, com fórmulas seguras, que não causem irritação e reação alérgica à maioria da população. E você também irá precisar de ferramentas e outros utensílios para poder executar o serviço.

Tenha em mente que, no que diz respeito a todo e qualquer fornecedor, não é somente o preço que importa. A qualidade do seu serviço é o que garantirá com que suas clientes continuem voltando. E essa qualidade depende diretamente dos produtos que você utiliza.

Portanto, mais do que somente preço, fique atento a procedência, prazos, frequência de entrega, forma de pagamento, entre outros.

Como montar uma esmalteria

Como Abrir uma Empresa

Caso você queira que o seu estabelecimento receba o dinheiro e emita nota fiscal, você deverá abrir a sua empresa legalmente. Nós temos um post detalhando cada etapa da abertura de uma empresa, mas aqui vamos aproveitar para listas os principais pontos:

  1. Criação do Contrato Social
  2. Registro na Junta Comercial
  3. Emissão do CNPJ e Escolha de Atividade
  4. Inscrição Municipal e Estadual
  5. Alvarás de Funcionamento
  6. Licenças

Dicas Especiais para Novos Negócios

Como demonstrado, abrir uma esmalteria é relativamente simples e barato. No entanto, apenas aqueles que encararem seus espaços como negócios completos, conseguirão sobreviver e lucrar. Por isso, vou listar abaixo algumas dicas especiais para quem quer realmente empreender.

1) Defina um Segmento de Clientes BEM ESPECÍFICO

Como comentando anteriormente, não existe nenhum negócio bem-sucedido que não definiu bem a sua área de atuação e o seu cliente alvo. Você vai ter que lutar para as clientes entrarem em seu estabelecimento e vai ter que gastar dinheiro com isso. Não caia no erro de falar “Todos são meus clientes”, pois isso é o começo do fim. Mergulhe nesse tema lendo nosso post de segmentação de mercado.

2) Crie uma Diferenciação (Especialidade)

Ao se definir um segmento específico, você vai conseguir mexer na sua oferta de valor, entregando algo único e memorável. Para isso, recomendo que você desenhe seu modelo de negócio e também faça a sua curva de valor! 

3) Calcule o Retorno Esperado do seu Negócio

“Quem não faz a conta, paga a conta.” Essa é uma máxima do mundo dos negócios. Sem estimar o seu retorno desejado e o que potencial sua esmalteria pode trazer, você vai ficar à deriva. Para isso, você vai precisar precificar muito bem seus produtos e fazer um estudo de viabilidade econômica do seu projeto.

Como montar uma esmalteria

Planilhas para esmalterias

Planilha de gestão de centros estéticos: para ajudar no seu controle e tomada de decisões. Você cadastra clientes, profissionais e serviços e tem acesso a todos os dados financeiros correspondentes.

Planilha de agendamentos: saiba quais clientes têm horário marcado, quantos atendimentos foram feitos no dia, na semana ou no mês, saiba o aniversário de suas clientes com antecedência e acompanhe o faturamento de seu empreendimento.

Planilha financeira: faça a gestão financeira, de estoque, de agenda e de serviços de sua esmalteria e veja dashboards prontos para cada uma dessas áreas.

Planilha de controle administrativo: organize o fluxo de caixa e as finanças de sua esmalteria e identifique as informações estratégicas do seu negócio.

Como montar um restaurante

Com cada vez mais brasileiros comendo fora pelo menos uma vez por semana, a indústria de restaurantes continua a prosperar. No entanto, começar um restaurante exige muito trabalho, mas, com um bom planejamento, você pode começar um negócio de sucesso.

O que é um restaurante

Simplificadamente, um restaurante é um lugar onde você paga para comer uma refeição. Trata-se, portanto, de uma empresa cujo serviço é preparar e servir alimentos e bebidas para os clientes.

As refeições são geralmente servidas e consumidas no local, mas muitos restaurantes também oferecem serviços de entrega de comida, e alguns oferecem apenas sistema de delivery.

Os restaurantes variam muito em aparência e ofertas, incluindo as mais diversas culinárias, em modelos que vão desde fast food e lanchonetes a estabelecimentos de luxo, com valores acima da média.

Tipos de restaurantes

Há uma infinidade de tipos e tamanhos de restaurantes, de maneira que seria impossível listá-los todos aqui. Em geral, eles são classificados de acordo com o tipo de comida servida (vegetarianos, pizzaria, churrascaria); a origem da cozinha (italiana, japonesa, indiana, mexicana) ou o estilo de serviço (rodízio, a la carte, buffet).

Além disso, os restaurantes podem se diferenciar em fatores como particulares como velocidade (fast food), formalidade, localização, custo, entre tantos outros.

Os restaurantes vão desde locais informais para almoçar ou jantar que atendem o pessoal local com comida e ambientes simples, até estabelecimentos caros que servem refeições e bebidas refinadas em um ambiente mais formal.

Como montar um restaurante

Vantagens e Desvantagens

Estima-se que o número de negócios no serviço de alimentação tenha aumentado cerca de cinco vezes nos últimos 50 anos. Essa tendência não tende a recuar, visto que cada vez mais pessoas optam por fazer suas refeições fora de casa. Isso significa que o restaurante certo no local certo tem altas chances de ser um empreendimento lucrativo.

Além disso, os donos de restaurantes de sucesso muitas vezes se tornam figuras populares na comunidade local. Isso porque um restaurante é um local de encontro. Se você criar um espaço onde as pessoas querem permanecer, você terá um grupo integrado de pessoas que querem aproveitá-lo.

E se você aprecia ter pessoas por perto e fazer com que elas se sintam bem-vindas, seu restaurante lhe proporcionará o benefício emocional de criar uma comunidade.

Por outro lado, você já deve ter percebido que a maioria dos restaurantes dependem de uma boa equipe (em qualidade e quantidade de funcionários) para oferecer um serviço apropriado.

Encontrar e manter um quadro qualificado é um grande desafio para a indústria de alimentos. Colocar maior ênfase na contratação e treinamento da equipe pode ajudar a atender a esse requisito e também reduzir o custo ao longo do tempo.

Outra desvantagem é a dificuldade de estabelecer as margens de lucro de seu negócio. A indústria alimentar é muito sensível ao preço, o que deixa você com uma pequena amplitude entre custo de mercadorias, mão de obra e lucro.

Você precisará determinar valores que sejam coerentes com o mercado, mas que consigam sustentar e gerar lucratividade ao seu negócio.

Como montar um restaurante

Desafio do Mercado

São dois os maiores desafios do serviço de restaurantes (e que se repetem em boa parte dos empreendimentos): investimento inicial e concorrência.

Em geral, um restaurante demandará um investimento substancial para começar, pois é preciso pagar muitos itens antecipadamente para colocá-lo em funcionamento. Cozinha industrial, mão de obra, mobília, além de todos os itens e processos que a legislação e a vigilância sanitária exigem.

Já a concorrência é especialmente complicada em áreas urbanas densamente povoadas ou grandes cidades, principalmente para restaurantes pequenos e independentes.

Cadeias de restaurantes grandes e conhecidas costumam atrair mais clientes, enquanto os proprietários de restaurantes independentes precisam trabalhar duro para desenvolver sua própria base de clientes.

Capital Inicial Estimado

O capital inicial estimado para a abertura de um restaurante dependerá – e muito – do tamanho e do modelo de empreendimento. O Sebrae informa que um restaurante self-service de aproximadamente 200 m² e capacidade para atender uma média de 150 clientes por dia precisará de um investimento inicial de cerca de 124 mil reais. Um restaurante de comida chinesa com uma área de 120 m², exigirá pouco mais de 130 mil reais. Já um pequeno restaurante de caldos e saladas poderia ser aberto com em torno de 80 mil reais.

O valor inicial varia de acordo com o ponto comercial, reformas, equipamentos, recursos humanos, mobília, sistema de exaustão, ventilação e ar condicionado, estoque, além do capital de giro necessário para sustentar o empreendimento até que ele comece a gerar lucro.

Como montar um restaurante

Como abrir um restaurante (passo a passo)

Localização

Ao escolher um local para o seu novo restaurante, observe, entre outras coisas a visibilidade e acessibilidade do imóvel. De preferência, um local que possa ser visto por quem está dirigindo e/ou caminhando, com bastante fluxo de pessoas. Além disso, considere se há estacionamento e facilidade de acesso a pé ou de carro.

Certifique-se, ainda, de que o mercado-alvo do seu restaurante corresponda à população da região. E, observe, por fim, a competição na área escolhida.

Ter alguns concorrentes ao redor pode ajudar no marketing. Mas é prudente ter distância suficiente para garantir um grupo sólido de clientes que não serão facilmente atraídos para outro local semelhante.

Layout e estrutura

Ao iniciar um restaurante, pense cuidadosamente em como organizar o layout do empreendimento, de forma a criar um fluxo sistemático desde a recepção. Você precisará levar em conta o tamanho do espaço de refeições, da cozinha, de armazenamento e escritório.

Normalmente, os restaurantes destinam 45% a 65% de seu espaço para a área de refeições, aproximadamente 35% para a cozinha e produção, e o restante para o espaço de armazenamento e escritório.

Para a área de refeições, observe decoração, conceito, iluminação, circulação e ventilação. O espaço precisa ser convidativo e confortável, para que as pessoas não tenham pressa de ir embora.

Já a área de produção precisa ser bem projetada, com espaço para recebimento, armazenamento, preparação de alimentos, cozimento, lavagem de alimentos, louças e utensílios, além de armazenamento de lixo e instalações para funcionários.

Menu

Antes de abrir seu restaurante, você precisará determinar o seu cardápio. Isso é de suma importância para descobrir o equipamento que você precisa, a equipe que você vai contratar e o público que você espera atrair.

O menu não precisa ser completamente projetado nem suas receitas precisam ser completamente desenvolvidas, mas você deve ter uma ideia geral, inclusive de preços.

Mais tarde, você pode atualizar continuamente o seu cardápio, à medida que ganha informações sobre quais itens alimentícios vendem bem e quais não vendem.

O cardápio propriamente dito deve ser bem escrito, descritivo, fácil de ler e organizado.

Como montar um restaurante

Principais Fornecedores

Fornecedores confiáveis desempenham um papel preponderante no sucesso do seu negócio e você desejará escolher um distribuidor que forneça produtos de boa qualidade com entrega consistente.

Entre em contato com produtores locais. Os agricultores e produtores locais podem fornecer hortaliças e carne fresca, além de produtos lácteos de boa procedência. Você também pode contatar fabricantes locais para outros itens, como as padarias, para pães e outros assados.

E nunca se esqueça: um bom fornecedor não é necessariamente o de menor preço. A qualidade da comida e o serviço prestado são igualmente importantes, já que é a qualidade de seu produto final que garantirá a lealdade de sua clientela.

Procure referências e entre em contato com outros restaurantes com os quais o fornecedor trabalhou. Negocie os detalhes das especificações alimentares, prazos de entrega e condições de pagamento. Tudo isso garantirá uma boa relação de trabalho a longo prazo.

Como Abrir uma Empresa

Caso você queira que a sua loja receba o dinheiro e emita nota fiscal, você deverá abrir a sua empresa legalmente. Nós temos um post detalhando cada etapa da abertura de uma empresa, mas aqui vamos aproveitar para listas os principais pontos:

  1. Criação do Contrato Social
  2. Registro na Junta Comercial
  3. Emissão do CNPJ e Escolha de Atividade
  4. Inscrição Municipal e Estadual
  5. Alvarás de Funcionamento
  6. Licenças

Dicas Especiais para Novos Negócios

Como demonstrado, abrir um restaurante exige bastante planejamento e cuidado. Apenas aqueles que encararem seu restaurante como um negócio completo, conseguirão sobreviver e lucrar. Por isso, vou listar abaixo algumas dicas especiais para quem quer realmente empreender.

1) Defina um Segmento de Clientes BEM ESPECÍFICO

Não existe nenhum negócio bem-sucedido que não definiu bem a sua área de atuação e o seu cliente alvo. Você vai ter que lutar para os clientes entrarem em seu estabelecimento e vai ter que gastar dinheiro com isso. Não caia no erro de falar “Todos são meus clientes”, pois isso é o começo do fim. Mergulhe nesse tema lendo nosso post de segmentação de mercado.

2) Crie uma Diferenciação (Especialidade)

Ao se definir um segmento específico, você vai conseguir mexer na sua oferta de valor, entregando algo único e memorável. Para isso, recomendo que você desenhe seu modelo de negócio e também faça a sua curva de valor!

3) Calcule o Retorno Esperado do seu Negócio

“Quem não faz a conta, paga a conta.” Essa é uma máxima do mundo dos negócios. Sem estimar o seu retorno desejado e o potencial que seu restaurante pode trazer, você vai ficar à deriva. Para isso, você vai precisar precificar muito bem seus produtos e fazer um estudo de viabilidade econômica do seu projeto.

Como montar um restaurante

Planilha de Ficha Técnica para Restaurantes: Crie fichas técnicas, controle ingredientes e custos dos seus pratos e analise resultados de vendas, de necessidade de matéria prima e de lucratividade.

Planilha de Gestão e Custos de Restaurantes: Faça a gestão completa do seu restaurante, desde o cadastro de insumos, gestão de compras e pedidos até o controle financeiro e de estoque.

Planilha de Precificação de Restaurantes – A la Carte: Encontre o preço de venda de cada prato do seu restaurante e faça análises aprofundadas de faturamento com a simulação de quantidade de pratos vendidos.

Planilha de Gestão de Compras: Crie um orçamento, liste todos os produtos que precisa comprar por categoria e preço médio, e tenha o resultado automaticamente.

Planilha Fechamento de Caixa Diário: Faça o lançamento de vendas diárias por bandeiras de cartões, com gráfico no final e porcentagens.

Planilha de Prime Cost: Conheça o seu Prime Cost (ou custo primário), um dos principais índices de desempenho operacional para restaurantes. Com ele você descobre facilmente se está mantendo custos com mercadorias e com mão de obra controlados ou se precisa reavaliar sua gestão financeira.

Como montar uma Sorveteria?

Se você é um apaixonado por sorvetes, possivelmente em algum momento de sua vida você entrou em uma sorveteria, olhou para aquele ambiente colorido, com tantas pessoas alegres e os mais variados sabores gelados e pensou: “eu poderia fazer isso!”.

E por que não? Você será seu próprio patrão e seu carro-chefe será amado por você e por toda sua comunidade. Além disso, a crescente apreciação de sorvetes premium e artesanais tem aberto novas oportunidades no mercado.

No entanto, como acontece com toda e qualquer empresa, o amor pelo produto final não significa necessariamente que você vai adorar trabalhar com isso. Então, vamos conhecer todos os prós e contras de como abrir uma sorveteria, para ajudá-lo a ter sucesso em seu negócio.

Como montar uma Sorveteria

O que é uma Sorveteria?

Uma sorveteria ou gelateria é um estabelecimento que produz e/ou comercializa sorvetes/gelatos. Você pode produzir seus próprios sorvetes ou então pode simplesmente revender o produto de outra indústria.

O sorvete pode ser servido em casquinhas, cascões, copos e inúmeras outras embalagens. Você também pode escolher entre servir cada cliente individualmente no balcão, ou oferecer um sistema de buffet self-service, em que o consumidor se serve e, ao final do buffet, paga pelo peso consumido.

Além disso, algumas sorveterias oferecem outras opções de produtos, como sobremesas elaboradas com o produto (sundaes, banana split, milk shakes etc.), outros doces (como tortas e brigadeiros), bem como cafés, sucos e outras bebidas.

Como montar uma Sorveteria

Produtos e suas características

O sorvete é basicamente uma sobremesa gelada à base de leite ou nata, que pode ser produzida nos mais variados sabores, dependendo dos demais ingredientes que serão adicionados à receita, tais como frutas, chocolate, essências, entre outras. A maior parte deles contêm açúcar, aromatizantes e corantes.

O sorvete, em geral, contém diversos nutrientes, tais como proteína, vitaminas A, D, E, K e do complexo B, e cálcio, e já faz parte da alimentação dos brasileiros.

Especula-se que ele tenha origem na China, há mais de 3 mil anos. Mas foi no finalzinho do século XIII, na Itália, que nasceu o sorvete parecido com o que conhecemos hoje. Aqui no Brasil, ele chegou somente em 1834, no Rio de Janeiro.

Como montar uma Sorveteria

Vantagens e Desvantagens

Talvez a maior desvantagem de se ter uma sorveteria seja a sazonalidade do negócio. Em alguns lugares do Brasil, especialmente no sul do país, você terá bastante movimento durante os meses mais quentes do ano, o que se restringe, às vezes, a menos da metade dos dias.

Isso significa que você precisará ganhar dinheiro em cerca de cinco meses, pagando aluguel o ano inteiro. Por isso, você precisará fazer seu negócio ser extremamente eficiente e rentável no verão, e manter uma operação mais enxuta e eficaz nos meses mais frios.

No entanto, dependendo da região geográfica onde você pretende instalar sua sorveteria, essa sazonalidade pode não fazer o mínimo sentido para você, especialmente se você mora nos estados do Norte e Nordeste do Brasil. Aí, nesse caso, a sua vantagem é justamente morar num país tropical, com calor o ano inteiro!

Outra vantagem da sorveteria é que você pode começar seu negócio de maneira mais modesta, e ir ampliando conforme a necessidade. Assim, de início, você não precisa investir um grande capital, e pode ir testando o mercado, para verificar a possibilidade de aumentar sua empresa.

Como montar uma Sorveteria

Desafio do Mercado

O grande desafio do mercado de sorveteria se chama Inovação. A concorrência no mercado de sorvetes é bastante acirrada, especialmente porque não se resume a um tipo específico de estabelecimento.

Você poderá concorrer com sorveterias de grande porte e grandes marcas, com boutiques de gelatos italianos, com a sorveteria do bairro, o mercado, as redes de fast food, o caminhão de sorvete, o carrinho de picolés e até com estabelecimentos que vendem similares, como açaí ou frozen yogurt.

Por isso, o seu foco é oferecer um diferencial, algo que faça com que o seu cliente escolha você sobre os demais concorrentes. Isso pode ser uma equipe empenhada e criativa, uma sorveteria de local frio que proporcione cafés e chocolates no inverno, uma diversificação maior de sabores, com ampla rotatividade, para que seu cliente encontre novas opções e não “enjoe” das suas opções, além de inúmeras coberturas e acompanhamentos.

Porém, mais do que isso, o mercado também vem exigindo qualidade no quesito valor nutricional. As pessoas estão se mostrando dispostas a pagar mais por um produto que seja melhor.

A mudança nos hábitos de consumo da população tem estimulado o investimento em produtos mais saudáveis, com menos açúcar, por exemplo, ou produzido totalmente com ingredientes naturais. Além disso, demandas de dietas restritivas, como produtos sem glúten, sem lactose ou veganos também merecem atenção.

De qualquer forma, é claro que nada disso adianta se não forem observados os cuidados básicos para o sucesso de sua sorveteria – e de qualquer outra empresa: qualidade da mercadoria, pontualidade na entrega, preço justo e bom atendimento.

Como montar uma Sorveteria

Capital Inicial Estimado

Como qualquer outro negócio, o investimento inicial para sua sorveteria dependerá do tamanho do estabelecimento, do fluxo de pessoas atendidas, da quantidade e variedade de mercadorias ofertadas e, inclusive da posição geográfica onde ela será instalada.

Também será preponderante a escolha do tipo de negócio, ou seja, se sua empresa se trata de uma pequena indústria produtora de sorvetes, de uma revenda de outra marca ou mesmo de uma franquia, apenas para citar alguns.

Para uma sorveteria de cerca de 40m², o Sebrae estima que sejam necessários entre 60 e 65 mil reais de capital inicial. Esse valor incluiria mobília, capital de giro e matéria-prima inicial.

Como abrir uma Sorveteria (passo a passo)

Estrutura necessária

Primeiro de tudo, decida que tipo de negócio você quer ter. É uma sorveteria independente? Artesanal? Revenda? Franquia? É uma fábrica de sorvetes?

Um pequeno ponto de venda pode ser em uma loja de 35 m², com balcão de sorvetes, mesas e cadeiras e sanitários.

Um buffet de sorvetes exige uma estrutura de self-service completa, semelhante a um buffet de comidas, porém refrigerado.

Uma fábrica exige um espaço maior, com uma área de produção, armazenamento, embalagem e transporte. Tudo atendendo rigorosamente as leis sanitárias vigentes.

Verifique, portanto, o seu modelo de negócio para determinar a estrutura inicial necessária. O Sebrae de sua região pode ajudá-lo com isso.

Como montar uma Sorveteria

Localização ideal

Para você decidir onde colocar sua sorveteria, também vai depender de seu modelo de negócio. Por exemplo, se você quiser ter um caminhão de sorvetes, pode simplesmente passear por onde quer que haja grandes populações, especialmente crianças.

Já se você estiver abrindo uma loja, certifique-se de estar em uma área com bom tráfego, alta visibilidade, muita iluminação e fácil acesso para entrar e sair do estacionamento e da loja.

No entanto, não esqueça que você precisa de um local que se ajuste ao seu orçamento. Você pode pensar que uma localização no centro da cidade é a melhor opção para uma sorveteria, devido às toneladas de pessoas para parar só porque viram sua vitrine.

Porém, se você estiver em uma região cuja sazonalidade é preponderante, não se esqueça de que, estando no centro da cidade, pagará o aluguel durante o ano todo, inclusive quando talvez não receba clientes.

Pode valer a pena pesquisar as áreas que recebem mais pessoas no verão, perto de parques, áreas abertas e zonas esportivas, que talvez ofereçam uma taxa comercial mais barata devido ao menor tráfego no inverno. Faça sua matemática quanto a isso.

Como montar uma Sorveteria

Principais Fornecedores

Sua rede de fornecimento também varia de acordo com o seu tipo de estabelecimento. Se você for uma franquia ou encomendar seus sorvetes de um distribuidor, seu principal fornecedor será justamente o distribuidor vinculado.

Além do sorvete propriamente dito, você precisará de insumos como casquinhas, banhos, coberturas e guloseimas, bem como descartáveis como embalagens, guardanapos e pás ou colheres.

Para fabricação, você precisará de equipamentos de produção e toda a matéria-prima, como leite, ovos, glicose, frutas, essências, gordura, açúcares, aromatizantes, corantes, emulsificantes, entre outros.

Como qualquer outro negócio, não cometa o erro de escolher seus fornecedores somente pelo preço. Lembre-se que a fidelidade de seus clientes é conquistada pela qualidade de seu produto.

Então, avalie o melhor custo benefício, observando procedência, prazos de entrega, condições de pagamento, acondicionamento e transporte. E não se esqueça: tenha sempre mais de um fornecedor de cada tipo como parceiro. Depender de apenas um pode ser arriscado para seu negócio.

Como Abrir uma Empresa

Caso você queira que a sua loja receba o dinheiro e emita nota fiscal, você deverá abrir a sua empresa legalmente. Você também pode ler um passo a passo sobre abertura de empresa. Aqui vamos aproveitar para listas os principais pontos:

  1. Criação do Contrato Social
  2. Registro na Junta Comercial
  3. Emissão do CNPJ e Escolha de Atividade
  4. Inscrição Municipal e Estadual
  5. Alvarás de Funcionamento
  6. Licenças

Dicas Especiais para Novos Negócios

Começar um novo negócio não é só conseguir colocar produtos à venda. Como demonstrado, abrir uma sorveteria não é muito complicado. No entanto, apenas aqueles que encararem sua sorveteria como um negócio completo, conseguirão sobreviver e lucrar. Por isso, vou listar abaixo algumas dicas especiais para quem quer realmente empreender.

1) Defina um Segmento de Clientes BEM ESPECÍFICO

Não existe nenhum negócio bem-sucedido que não definiu bem a sua área de atuação e o seu cliente alvo. Não caia no erro de falar “Todos são meus clientes”, pois isso é o começo do fim. Mergulhe nesse tema lendo nosso post de segmentação de mercado.

Como montar um Salão de Beleza

2) Crie uma Diferenciação (Especialidade)

Ao se definir um segmento específico, você vai conseguir mexer na sua oferta de valor, entregando algo único e memorável. Para isso, recomendo que você desenhe seu modelo de negócio e também faça a sua curva de valor! 

3) Calcule o Retorno Esperado do seu Negócio

“Quem não faz a conta, paga a conta.” Essa é uma máxima do mundo dos negócios. Sem estimar o seu retorno desejado e o que potencial sua sorveteria pode trazer, você vai ficar à deriva. Para isso, você vai precisar precificar muito bem seus produtos e fazer um estudo de viabilidade econômica do seu projeto.

Como montar uma Sorveteria

Planilhas para Sorveteria

Planilha para fabricação de sorvete: Planilha para uso de controle da fabricação própria, com seus devidos custos. Você terá acesso a relatórios anuais e pesquisas mensais das quantidades e valores destinados por categorias, bem como, gráficos e rankings de toda sua produção.

Planilha de Gestão e Custos de Restaurante: Faça a gestão completa de sua sorveteria, desde o cadastro de insumos, gestão de compras e pedidos até o controle financeiro e de estoque.

Planilha de Gestão de Compras: Crie um orçamento, liste todos os produtos que precisa comprar por categoria e preço médio, e tenha o resultado automaticamente.

Planilha Fechamento de Caixa Diário: Faça o lançamento de vendas diárias por bandeiras de cartões, com gráfico no final e porcentagens.

Planilha de Prime Cost: Conheça o seu Prime Cost (ou custo primário), um dos principais índices de desempenho operacional para sorveterias e restaurantes. Com ele você descobre facilmente se está mantendo custos com mercadorias e com mão de obra controlados ou se precisa reavaliar sua gestão financeira.

Guia completo de como vender pelo WhatsApp

Você sabe como vender pelo WhatsApp? Se ainda não, fique tranquilo: você acabou de chegar ao lugar certo! Aqui, você confere dicas preciosas de como utilizar o aplicativo mais baixado no Brasil para aumentar as vendas do seu negócio e melhorar o atendimento ao cliente.

Quer saber tudo sobre o assunto? Ao longo deste conteúdo, vamos conhecer 14 dicas especiais para você dar os primeiros passos ou melhorar ainda mais suas vendas pelo aplicativo. Confira a seguir como vender pelo WhatsApp:  🤳

  1. Tenha um número exclusivo para a sua empresa;
  2. Use o WhatsApp Business;
  3. Crie catálogos de produtos;
  4. Trabalhe com o WhatsApp Web;
  5. Use a mesma conta do WhatsApp em até quatro celulares;
  6. Peça autorização para enviar mensagens;
  7. Prepare ofertas especiais;
  8. Utilize listas de transmissão;
  9. Tenha um calendário de conteúdos;
  10. Aposte em diferentes formatos de mídia;
  11. Faça uso do status do WhatsApp;
  12. Cuide da linguagem;
  13. Defina o WhatsApp como um canal de atendimento;
  14. Construa sua base de contatos;
  15. Configure o WhatsApp Payment.

Agora, leia o conteúdo completo para conferir os detalhes de cada item descrito acima. Vamos lá?

 

Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

 

Por que vender pelo WhatsApp?

Se você ainda não está convencido de que saber como vender pelo WhatsApp pode ser uma boa estratégia, é importante conferir alguns dados relevantes do uso do appp no Brasil para que não restem dúvidas da importância de utilizá-lo.

A principal característica do aplicativo, que, de acordo com a Mobile Time, está instalado em 99% dos celulares dos brasileiros, é a praticidade, acessibilidade e as funcionalidades que ele oferece aos usuários. Isso porque o WhatsApp permite a troca instantânea de mensagens, fotos, vídeos, áudios e pagamentos com facilidade.

A popularidade do WhatsApp fez com que muitas empresas passassem a enxergar o app como uma importante ferramenta para o seu público. Tendo isso em vista, foi lançado o WhatsApp Business, a versão de conta comercial do mensageiro, com utilidades que facilitam essa aproximação com os clientes.

O sucesso foi tanto que, com apenas um ano de existência, o recurso corporativo alcançou a marca de 5 milhões de usuários. Só no Brasil, ele já é utilizado por 72% dos empreendedores que têm loja virtual, segundo o Sebrae.

Sendo assim, a maioria dos públicos está presente no WhatsApp, por isso, é importante que as empresas aproveitem essa oportunidade para gerar vendas.

💡 Saiba mais: Recursos de marketing online para WhatsApp

Como vender pelo WhatsApp?

Agora confira os detalhes de cada estratégia para vender pelo aplicativo:

1. Use o WhatsApp Business

Usar a conta comercial do aplicativo, o WhatsApp Business, pode ser uma boa solução para quem tem muitos clientes e está com dificuldades para organizar os fluxos de atendimento no mensageiro.

Isso porque o aplicativo tem algumas funcionalidades diferentes do app normal, como as etiquetas para categorizar as conversas. Com elas, é possível filtrar os contatos de acordo com o momento na jornada do cliente. Você pode, por exemplo, criar grupos nomeados de “novo cliente”, “novo pedido”, “pago” e mais, tudo de acordo com as suas necessidades.

Além disso, é possível criar respostas rápidas padronizadas que podem ajudar bastante quando você está fora do horário de atendimento ou quando vai demorar um pouco para responder.

Por fim, o WhatsApp Business também oferece recursos exclusivos, como: visualizar a quantidade de mensagens que foram enviadas e entregues aos usuários e quais foram lidas.

2. Tenha um número exclusivo para a sua empresa

Outra dica de como vender pelo WhatsApp é pensar no número que você vai usar. Uma boa ideia é separar a conta da sua empresa da sua pessoal por dois motivos.

O primeiro é a segurança, já que esse número de WhatsApp pode estar disponível no seu site e nas redes sociais da sua marca — ou seja, muita gente que você ainda não conhece vai ter acesso ao telefone.

Além disso, ao separar os números, você evita misturar assuntos de trabalho e pessoais. Assim, fica mais fácil dividir melhor seu tempo durante o dia e não cair na tentação de responder aos clientes a todo momento.

Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

 

3. Crie catálogos de produtos

Outra funcionalidade do WhatsApp Business que merece destaque é a criação do catálogo de produtos. Com este recurso, você pode colocar o nome do produto ou serviço, fotos, uma descrição, o preço e um link de direcionamento para a página de vendas daquele item, por exemplo.

A ferramenta é uma maneira de tornar a venda mais prática e fácil, disponibilizando informações de uma forma acessível para que os consumidores confiram o que o seu negócio tem a oferecer.

Para cadastrar os seus produtos, entre nas configurações da conta e clique em “catálogo”. Em seguida, faça o upload de uma imagem do produto e complete as informações.

4. Trabalhe com o WhatsApp Web

Você sabia que é possível utilizar o WhatsApp no PC? Pois bem, com o WhatsApp Web você consegue otimizar o atendimento aos clientes.

Para utilizá-lo, basta acessar o site do WhatsApp Web e seguir o passo a passo para escanear o QR Code com a câmera do seu celular.

Captura de tela do WhatsApp Web

Também existe a possibilidade de baixar o app do WhatsApp no próprio computador. Assim, além de ficar mais confortável para responder mensagens, sobra mais tempo para se dedicar a outras tarefas rotineiras do seu negócio, como gerir redes sociais, responder e-mails, conferir a sua planilha de estoque e olhar para as finanças. Bem mais fácil vender pelo WhatsApp assim, não é mesmo?

5. Use a mesma conta do WhatsApp em até quatro celulares

Em uma de suas atualizações, o WhatsApp passou a permitir o uso de uma mesma conta em até quatro celulares ou computadores.

Antes, era necessário ter o aplicativo baixado em um dispositivo móvel e permitir o uso em um computador Windows ou Mac por meio do WhatsApp Web. Agora, é possível usar uma mesma conta em até quatro dispositivos, de modo que o histórico de conversa fique disponível em todos os aparelhos conectados — mas com algumas limitações.

Caso você precise recuperar informações mais antigas no histórico de mensagens, será necessário recorrer ao aparelho principal. Os demais mostrarão apenas parte do arquivo.

Cada um dos dispositivos vinculados se conecta ao WhatsApp de maneira independente, garantindo a criptografia de ponta a ponta. Assim, basta que o celular principal fique inativo por um longo período para que os demais se desconectem de forma automática, garantindo a segurança dos dados.

Para adicionar o WhatsApp a um novo dispositivo, basta seguir os passos abaixo:

  1. No novo aparelho, baixe o aplicativo WhatsApp Messenger ou Business;
  2. Na tela principal de acesso, no canto superior direito, clique no botão de reticências;
  3. Selecione a opção “Conectar-se a um aparelho”. Aparecerá um QR code na tela;
  4. No dispositivo principal, abra o WhatsApp, vá em “Configurações” e depois em “Aparelhos conectados”;
  5. Aponte a câmera para o QR code exibido na tela do segundo aparelho e pronto!

A grande vantagem de poder usar o WhatsApp em até quatro celulares é que, se algum ficar sem bateria ou internet, você consegue atender seus clientes normalmente usando outro aparelho.

6. Peça autorização para enviar mensagens

Esta dica é essencial para começar a vender no WhatsApp. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) exige que as empresas peçam autorização dos clientes para guardar seus dados e expliquem de forma clara para que as informações pessoais serão utilizadas.

Por isso, é essencial que você peça permissão aos seus clientes antes de mandar qualquer mensagem. Para isso, você pode colocar um checkbox ✅ (ou caixa de verificação, em português) no seu site no momento em que o cliente cadastra o telefone. Desse modo, ele vai precisar dar consentimento, ou seja, concordar em receber mensagens suas via WhatsApp.

Se você for divulgar seu WhatsApp nas redes sociais, use o link da API do WhatsApp para que os usuários tenham um passo de aceite para conversar com você, como na imagem abaixo:

Captura de tela do gerador de link do WhatsApp

Para criar esse link, você deve seguir os passos a seguir:

  • Copie e cole o link: https://api.whatsapp.com/send?phone=seunumerodetelefone&text=sua%20mensagem
  • Substitua o trecho em que aparece “seunumerodetelefone” pelo número do WhatsApp do seu negócio. O formato aqui é de AABB000000000, em que AA é o DDI (55, se for o Brasil), BB é o código de área (11 para São Paulo, 31 para Belo Horizonte, por exemplo) e o resto é seu número de telefone;
  • Em seguida, coloque uma mensagem para aparecer na página aberta pelo link em “sua%20mensagem”. O “%20” representa espaços. Então, por exemplo, se você quer escrever “Seja bem-vindo!”, deve colocar “Seja%20bem-vindo!”

Seguindo esses passos, você já poderá compartilhar seu link para conversar no WhatsApp com sua marca onde quiser.

Por fim, deixe sempre claro que, se seus clientes não quiserem mais receber mensagens da sua empresa, eles podem se descadastrar da sua lista de contatos. E é importante realmente remover as pessoas que fizeram essa solicitação, ok?

 

Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

 

7. Prepare ofertas especiais

Uma boa forma de atrair clientes para o seu WhatsApp — e ainda fidelizá-los 😁 — é oferecer benefícios exclusivos para quem compra por esse canal. Entre algumas ideias que você pode oferecer aos seus consumidores especiais do WhatsApp estão descontos, frete grátis e até a oportunidade de saber antes dos lançamentos da sua loja.

Se os clientes se sentem especiais e sabem que são priorizados, eles tendem a retribuir a atenção e lembrar da sua loja quando precisam comprar algum produto que você oferece.

8. Utilize listas de transmissão

Evite criar grupos para mandar as ofertas e lançamentos para os seus clientes. Além de encher a caixa de entrada deles de mensagens, seu atendimento pode soar muito impessoal.

Para fugir dos grupos, você pode usar a lista de transmissão. Com o recurso, você pode mandar mensagens para vários contatos de uma só vez.

O melhor é que você pode criar várias listas e segmentar por perfis de clientes, separando em grupos como:

  • Consumidores que estão interessados, mas ainda não compraram da sua marca;
  • Clientes que estão com pedidos em andamento;
  • Aqueles que já compraram com você, mas estão um pouco sumidos.

Na hora de fazer a segmentação, leve em conta o funil de vendas, ou seja, em que etapa do relacionamento com sua marca cada pessoa está. Assim, você pode ter conteúdos e mensagens estratégicas para cada momento, de modo a tornar seu atendimento ainda mais personalizado.

Não se esqueça de sempre dar aos seus clientes a opção de sair de alguma lista de transmissão e parar de receber ofertas. Se deixar seus clientes confortáveis ao saber que podem parar as mensagens quando quiserem, você evita que eles se cansem e tomem medidas mais extremas — como bloquear seu contato, por exemplo.

9. Tenha um calendário de conteúdos

Uma estratégia para manter seus clientes engajados com suas ofertas é não enchê-los de mensagens. Por isso, ter um calendário de disparo de mensagens para organizar os tipos de conteúdos e a frequência com que você se comunica com cada lista de clientes é fundamental.

O calendário de conteúdos também é um ótimo aliado para controlar o que já foi enviado e não repetir mensagens. Assim, você garante que seus clientes sempre vão receber mensagens novas e relevantes para eles.

Busque também enviar não apenas ofertas, mas também utilizar o WhatsApp como um aliado da sua estratégia de marketing de conteúdo. Dessa forma, você fornece também materiais interessantes e mantém o relacionamento com o público sem cansar sua audiência.

Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

 

10. Aposte em diferentes formatos de mídia

Outra dica especial é explorar os formatos disponíveis no WhatsApp: mande fotos e vídeos mostrando e dando sugestões de como usar seus produtos. Atente-se apenas à frequência de envio desse tipo de mensagem, já que esses arquivos gastam dados para serem baixados e ocupam espaço de armazenamento no dispositivo dos clientes. Portanto, guarde-os para ocasiões especiais.

Aproveite também os áudios para tirar dúvidas dos clientes de forma mais prática — mas não esqueça de perguntar se eles gostam desse formato e de limitar a duração do áudio. Afinal, são raras as pessoas que gostam de receber mensagens de vários minutos.

Se precisar mandar explicações mais longas, vale a pena perguntar para o cliente se ele consegue marcar uma hora para você ligar e explicar melhor a questão.

11. Faça uso do status do WhatsApp

Faça uso também do status do WhatsApp. Essa função se assemelha aos Stories do Instagram e é mais uma forma de levar informações, conteúdos e ofertas aos seus contatos.

A ferramenta é excelente para compartilhar anúncios sem se preocupar em ser invasivo com mensagens diretas, enviadas para suas listas de transmissão, por exemplo.

Os clientes poderão visualizar as publicações por um período de 24 horas e, caso se interessem, terão a oportunidade de iniciar uma conversa com sua marca imediatamente.

12. Cuide da linguagem

Mesmo que esteja usando o WhatsApp para se comunicar com seus clientes, assim como faz com seus amigos e família, você não tem a mesma intimidade com essas pessoas.

Claro que você não precisa ser muito formal, mas tente usar uma linguagem mais neutra e leve para se adequar a todos os clientes. Fique atento também a erros ortográficos e seja sempre educado.

 

Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

 

13. Defina o WhatsApp como um canal de atendimento

Que tal utilizar o WhatsApp como uma ferramenta de atendimento ao cliente? Divulgue o número da sua empresa no site, nas redes sociais e nas embalagens de produtos para tornar o contato mais próximo com os seus consumidores.

Seja transparente, objetivo e ágil, estando sempre à disposição para tirar todas as dúvidas e deixar os clientes tranquilos e confortáveis.

Se possível, divulgue ao público o horário de atendimento — isso pode ser definido no próprio WhatsApp Business de forma bem prática. Basta acessar as configurações do aplicativo, selecionar a opção de “editar perfil” e preencher as informações de atendimento no campo “recado”.

Por fim, lembre-se de que as pessoas esperam um atendimento praticamente instantâneo quando utilizam o WhatsApp. Então, fique sempre de olho nas mensagens que chegam por esse canal da sua empresa para responder o mais rápido possível.

Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

 

 

14. Construa sua base de contatos

Para conseguir mais números de potenciais clientes, uma dica é oferecer um benefício em troca do contato do seu consumidor. Você pode utilizar diversos tipos de recompensas digitais, como e-books, infográficos e cupons de desconto, por exemplo.

Além disso, divulgar o número da empresa em suas redes sociais e no site é importante para que as pessoas possam entrar em contato com você.

Lembre-se de que vender pelo WhatsApp também significa atrair novos clientes.

15. Configure o WhatsApp Payments

Se você já vende online, o WhatsApp Payments pode te ajudar a simplificar o recebimento das vendas feitas por meio do aplicativo.

A ferramenta permite transferir valores para os seus contatos e efetuar pagamentos de diversos serviços que sejam vendidos pelo WhatsApp.

Com o WhatsApp Pay, você consegue pagar fornecedores, parceiros e serviços essenciais de sua loja em poucos cliques. Para transações feitas por contas pessoais, não há cobrança de taxas e são permitidas até vinte transferências por dia com o valor máximo de mil reais por operação.

Entendido sobre como vender pelo WhatsApp?

Com todas essas dicas de como vender pelo WhatsApp, não tem mais desculpa para não abusar do app queridinho dos brasileiros para impulsionar as vendas da sua empresa, não é? Então, aproveite para colocar tudo em prática e aumentar ainda mais o sucesso do seu negócio!

Precisa de novos clientes?

Eu sou Natã Oliver, sou especialista em marketing digital e posso te ajudar a aumentar seu alcance e consequentemente atrair novos clientes para o seu negócio.

Responda esse e-mail ou me chame no WhatsApp para traçar um plano para o seu modelo de negócio.

Natã Oliver

(11)951203205

5 dicas essenciais para faturar 10 mil reais por mês com serviços de estética

Para faturar 10 mil reais por mês com estética, é necessário ter um plano bem estruturado e uma estratégia de negócios eficaz. Aqui estão algumas dicas que podem ajudá-lo a alcançar essa meta:

       1. Ofereça uma variedade de serviços: para aumentar suas receitas, ofereça uma ampla gama de serviços de estética, como tratamentos faciais, corporais, depilação, massagens, entre outros.

Oferecer uma variedade de serviços é fundamental para aumentar as receitas em um negócio de estética. Isso ocorre porque cada pessoa tem necessidades e preferências específicas quando se trata de tratamentos estéticos.

Para atender a essa demanda, é importante que o profissional ofereça uma ampla gama de serviços, como tratamentos faciais, corporais, depilação, massagens, entre outros. Dessa forma, o cliente poderá escolher o tratamento que melhor atende às suas necessidades e expectativas.

Os tratamentos faciais são extremamente populares e incluem limpeza de pele, peelings, hidratação, rejuvenescimento, entre outros. Já os tratamentos corporais podem incluir procedimentos para redução de medidas, celulite, flacidez, além de massagens relaxantes e terapêuticas.

A depilação também é um serviço muito procurado na área da estética, podendo ser realizada com diversos métodos, desde a cera até a depilação a laser. Além disso, é possível oferecer serviços para cuidados das mãos e pés, como manicure e pedicure, e ainda serviços de maquiagem para ocasiões especiais.

Ao oferecer uma ampla gama de serviços, o profissional de estética pode atingir um público mais amplo e aumentar as chances de fidelização dos clientes. É importante lembrar que, para ter sucesso nesse ramo, é fundamental investir em capacitação constante, para oferecer sempre os melhores tratamentos e serviços.

 

2. Atenda seus clientes com excelência: invista na qualidade do atendimento e dos serviços prestados aos seus clientes, criando um ambiente acolhedor e confortável em seu espaço de estética.

Atender seus clientes com excelência é um dos principais fatores para o sucesso de um negócio de estética. Para isso, é essencial investir na qualidade do atendimento e dos serviços prestados aos clientes, criando um ambiente acolhedor e confortável em seu espaço de estética.

O primeiro passo para oferecer um atendimento de qualidade é entender as necessidades e expectativas do cliente. É importante ouvir com atenção as suas demandas e buscar soluções que atendam às suas expectativas. Além disso, é fundamental se comunicar de forma clara e objetiva, explicando os procedimentos e tirando dúvidas.

Outro ponto relevante é criar um ambiente agradável e acolhedor. O espaço onde são realizados os tratamentos deve ser limpo, organizado e confortável, contribuindo para transmitir uma sensação de tranquilidade e bem-estar para o cliente.

A qualidade dos serviços prestados também é um ponto crucial. O profissional deve estar sempre atualizado sobre as técnicas mais recentes e utilizar produtos e equipamentos de alta qualidade. Além disso, é importante realizar uma análise cuidadosa do tipo de pele do cliente e personalizar os tratamentos de acordo com suas especificidades.

Por fim, é essencial manter um relacionamento próximo com os clientes, buscando feedbacks e sugestões para melhorar constantemente a qualidade do atendimento e dos serviços prestados.

Investir na qualidade do atendimento e dos serviços prestados aos clientes é uma estratégia essencial para fidelizar clientes e garantir o sucesso de um negócio de estética.

 

     3. Fidelize seus clientes: crie programas de fidelidade, ofereça descontos exclusivos, faça promoções e mantenha contato constante com seus clientes, seja por meio de e-mails ou redes sociais.

Fidelizar clientes é um dos principais objetivos de qualquer negócio, e na área da estética não é diferente. Para alcançar esse objetivo, é fundamental criar programas de fidelidade, oferecer descontos exclusivos, fazer promoções e manter contato constante com seus clientes, seja por meio de e-mails ou redes sociais.

Os programas de fidelidade são uma excelente maneira de recompensar os clientes fiéis e incentivar a continuidade dos serviços. Esses programas podem incluir benefícios como descontos exclusivos, brindes, entre outros. Além disso, é importante garantir que esses programas sejam de fácil adesão e tenham um processo simples para acúmulo e troca dos pontos.

Oferecer descontos exclusivos é outra estratégia essencial para fidelizar os clientes. Esses descontos podem ser concedidos em datas especiais, como aniversário, Natal, Dia das Mães, entre outros. Também é possível oferecer descontos para pacotes de tratamentos ou para clientes que indicarem novos clientes para o estabelecimento.

As promoções também são importantes para atrair e fidelizar clientes. Elas podem ser realizadas em datas comemorativas ou em períodos de baixa demanda. É importante que as promoções sejam atrativas e claras, para que o cliente entenda as vantagens oferecidas.

Por fim, manter um contato constante com os clientes é uma estratégia importante para fidelização. Isso pode ser feito por meio de e-mails, mensagens de texto ou redes sociais. Essa comunicação deve ser personalizada e trazer informações relevantes sobre novos tratamentos, promoções e benefícios exclusivos.

Em resumo, criar programas de fidelidade, oferecer descontos exclusivos, fazer promoções e manter contato constante são estratégias fundamentais para fidelizar os clientes em um negócio de estética. Essas ações contribuem não só para aumentar a satisfação do cliente, mas também para garantir o sucesso e a rentabilidade do negócio.

     4. Esteja sempre atualizado: fique atento às tendências do mercado, participe de feiras e eventos de estética e investe em cursos e aprimoramentos profissionais.

Estar sempre atualizado é uma das principais características de um profissional de sucesso na área da estética. Para isso, é fundamental ficar atento às tendências do mercado, participar de feiras e eventos de estética e investir em cursos e aprimoramentos profissionais.

Acompanhar as tendências do mercado é essencial para oferecer serviços atualizados e diferenciados aos clientes. Essas tendências podem incluir novos equipamentos, técnicas e produtos que agregam valor aos tratamentos oferecidos. O profissional deve estar sempre antenado e buscar informações sobre as novidades do setor.

Participar de feiras e eventos de estética é outra estratégia importante para se manter atualizado. Esses eventos são uma oportunidade para conhecer as novidades em produtos e equipamentos, além de permitir a troca de experiências com outros profissionais da área. Além disso, as feiras e eventos também oferecem palestras e workshops, onde é possível adquirir conhecimentos e técnicas atualizadas.

Investir em cursos e aprimoramentos profissionais é fundamental para aperfeiçoar o conhecimento e oferecer serviços cada vez mais qualificados. Existem diversos cursos de especialização em estética, desde os básicos até os mais avançados. É importante escolher um curso reconhecido e ministrado por profissionais experientes na área.

Além disso, os cursos podem abranger diferentes áreas de conhecimento, como técnicas de massagem, tratamentos faciais e corporais, depilação, entre outros. Outra opção é buscar cursos online, que permitem maior flexibilidade de horários e acesso a conteúdos atualizados de forma prática e acessível.

Por fim, é importante ressaltar que investir em atualização profissional é um processo contínuo. O mercado da estética está em constante evolução, e por isso é fundamental estar sempre atualizado para garantir a excelência nos serviços prestados e se destacar em meio à concorrência.

Em resumo, estar sempre atualizado é uma estratégia fundamental para o sucesso e a rentabilidade de um negócio de estética. Acompanhar as tendências do mercado, participar de feiras e eventos de estética e investir em cursos e aprimoramentos profissionais são algumas das formas de garantir a atualização constante e oferecer serviços cada vez mais qualificados aos clientes.

5. Invista em marketing digital: promova seus serviços nas redes sociais, crie um site profissional e divulgue seus serviços por meio de anúncios online.

Investir em marketing digital é uma estratégia fundamental para ampliar a visibilidade do seu negócio de estética e atrair novos clientes. Essa modalidade de marketing envolve diversas ações, como promoção de serviços nas redes sociais, criação de um site profissional e divulgação dos serviços por meio de anúncios online.

As redes sociais são um excelente canal para promover seus serviços e se comunicar com os clientes. É importante escolher as plataformas mais relevantes para o seu público-alvo e manter uma presença ativa nessas redes. Além disso, é fundamental produzir conteúdo relevante e de qualidade, que possa agregar valor aos seguidores e gerar engajamento.

Outra estratégia importante é a criação de um site profissional. O site deve ser bem estruturado, ter uma navegação intuitiva e informações claras sobre os serviços oferecidos. É importante que o site tenha um design atrativo e responsivo, que se adapte a diferentes dispositivos, como smartphones e tablets.

Por fim, a divulgação de serviços por meio de anúncios online é uma forma eficiente de alcançar novos clientes e aumentar a visibilidade do seu negócio. É possível criar anúncios segmentados, direcionando a comunicação para perfis específicos de público que têm maior probabilidade de contratar seus serviços.

Além disso, é importante mensurar os resultados das ações de marketing digital, analisando métricas como alcance, engajamento e conversão em vendas. Com base nesses dados, é possível ajustar as estratégias e otimizar a campanha, obtendo melhores resultados.

Em resumo, investir em marketing digital é uma estratégia fundamental para ampliar a visibilidade do seu negócio de estética e atrair novos clientes. As redes sociais, o site profissional e os anúncios online são algumas das principais ferramentas dessa modalidade de marketing, que pode contribuir significativamente para o sucesso e a rentabilidade do seu negócio.

 

Com dedicação, planejamento e estratégia, é possível faturar 10 mil reais por mês com estética já nos primeiros meses de atuação no mercado.

Se precisar de ajuda, estou a disposição para te atender, me chama no WhatsApp para tirar suas duvidas.

Clique aqui para falar comigo pelo WhatsApp

 

Se preferir salve meu contato: 11951203205
Natã Oliver

Objeções de vendas: o que são e como contorná-las 

Quem nunca iniciou uma venda ou chegou no meio do processo, ou até mesmo na reta final do fechamento de um contrato, e se deparou com uma barreira colocada pelo cliente, impedindo a conclusão do negócio? 

Esses empecilhos apresentados pelos consumidores durante a compra de um produto ou serviço são chamados objeções de vendas e podem ocorrer por diversos motivos: dúvida, custo, desinteresse e, principalmente, desinformação sobre sua solução ou marca, entre outros. 

Cabe ressaltar que as objeções podem acontecer no início, meio ou fim de um processo comercial. Apesar de serem comuns nos processos de vendas, existem técnicas e estratégias capazes de contornar uma situação onde a venda poderia ser dada como perdida. 

Neste artigo você vai descobrir a razão pela qual alguns leads desistem ou decidem por uma compra, quais as objeções mais utilizadas e os 10 fatores decisivos para reverter uma objeção em negócio fechado.

Para começar, você precisa entender o comportamento do consumidor: qual é o limiar que faz com que o seu lead decida ou desista de uma compra? Quais fatores estão envolvidos nesse processo? 

Motivos que mais levam clientes B2B a desistirem ou decidirem pela compra

Uma pesquisa feita pela Merkle Loyalty Solution, com empresas norte-americanas sobre fatores que impactam nas vendas B2B, mostrou as principais razões que levam os clientes a declinar de uma compra. O relatório apresentou os seguintes resultados:

65% afirmaram que os profissionais de marketing e vendas B2B estão muito mais preocupados em vender do que em ouvir as necessidades de seu público;

31% responderam que os profissionais de marketing e vendas não entendem suas necessidades ou sua empresa (32%).

Na Parte 2 do relatório da Merkle, a pesquisa indicou que outros fatores desempenhavam um papel de lealdade dos compradores:

77% afirmaram que a confiabilidade os faz voltar para comprar mais; 

63% retornam por causa dos preços/descontos;

60% apontaram o excelente serviço prestado como fator crucial na decisão final.

Ou seja, na grande maioria das vezes, a objeção surge pois você não entendeu com profundidade a necessidade do cliente e apresentou uma proposta que não condiz com essa realidade. Este é o primeiro passo. 

Além disso, sabendo das necessidades do cliente, é possível mapear todas as possíveis objeções que surgirão ao longo do caminho e estudá-las. Afinal, você só saberá como contorná-las se estiver previamente preparado!

Conheça as objeções de vendas mais usadas e as melhores técnicas para contorná-las

Uma empresa com uma equipe comercial bem estruturada, baseada nos 4 pilares da produtividade de vendas (processos, gestão, tecnologia e pessoas), tem tudo para ter sucesso nos negócios. 

No entanto, se não houver uma atenção especial na qualidade da equipe, com treinamento adequado para que os profissionais saibam lidar com os vários perfis de clientes e as dificuldades colocadas por eles, alguns contratos podem ser perdidos.  

Sendo assim, reunimos abaixo alguns exemplos das principais objeções em vendas utilizadas no mercado e as melhores estratégias para sua empresa contorná-las!

Vamos ao que interessa?

Falta de tempo – uma das objeções de venda mais usadas

Essa é uma das objeções de venda mais usadas por clientes que desejam se livrar de uma negociação, sem nem mesmo ouvir a proposta. 

É verdade que, dificilmente, uma equipe de vendas irá abordar um lead sem chances de conversão, sem ter consciência de que sua solução atende a necessidade da empresa (mesmo que ele ainda não saiba). Mas, caso esse cenário se configure, é preciso que o profissional de vendas esteja capacitado para lidar com ele.

Uma apresentação rápida e atraente da solução em questão, com as informações mais relevantes, mostrando as vantagens entre custos e benefícios, pode ser decisiva para reverter essa objeção em interesse. Mas, se mesmo assim, o possível cliente continuar alegando pressa, veja o melhor horário e meio de contato para retornar a conversa.

Precisa pensar

Esta é uma situação típica, onde o possível comprador chega a ouvir sua apresentação, mas acha que as informações passadas não foram suficientes para convencê-lo a tomar uma decisão. Muitas vezes, ainda existe o acréscimo de que ele precisa conversar com outro decisor antes de fechar negócio. 

Nesse caso, o ideal é buscar entender sua hesitação, perguntando se ele ainda tem dúvidas a respeito da solução, sobre as condições de pagamento ou os benefícios oferecidos. Essas perguntas podem ser eficientes, quando feitas sem impaciência.

É importante não dar ao comprador a impressão de que sua empresa está querendo empurrar uma venda, mas sim, de que há um interesse real em ouvir seus questionamentos, entender suas necessidades e solucioná-las da melhor forma. 

Já tem um produto ou serviço similar

Por mais que pareça, essa objeção não encerra de cara uma possível negociação. Nesta hora, é preciso ter habilidade e técnica para convencê-lo de que a sua solução tem um diferencial que oferece mais vantagens do que aquela que ele possui.

É importante que o trabalho de convencimento seja feito com dados concretos, incluindo as melhores condições de pagamento do mercado. Para isso é necessário que o profissional de vendas conheça o produto concorrente, para apontar as deficiências e fazer as comparações de eficiência, modernidade, economia, entre outras. 

Não precisa da solução

Para que um profissional de vendas chegue a abordar um lead, é porque ele sabe que ali há um possível interesse na sua solução. Uma resposta que indique o contrário pode significar que o comprador não entendeu sua oferta com clareza, que houve falha na comunicação.

Nesse caso, ter conhecimento de mercado e do perfil do lead é essencial para conseguir apontar suas necessidades e como a solução apresentada pode atendê-lo. Nesse momento, a comunicação deve ser eficaz, para prender a atenção do cliente e fazê-lo entender que precisa do seu produto ou serviço.

É importante reforçar as vantagens que ele terá com sua solução, evidenciando, com números, seu ganho na relação custo x benefício. Aponte, também, como a concorrência tem obtido sucesso nos negócios utilizando esta solução.

Não conhece a marca

Essa é uma objeção recorrente nas empresas jovens. Sem uma referência, ou sem conhecer a marca, é natural que haja uma insegurança ou desconfiança na hora de realizar a compra, mesmo com todas as vantagens da solução. Nesse caso, a equipe comercial terá que ser convincente ao apresentar a empresa, de forma objetiva, clara e com base em dados.

É imprescindível que a empresa tenha canais próprios, como um site e blog corporativo, onde o cliente possa ter acesso às informações principais sobre a instituição e as soluções, com depoimentos de clientes já fidelizados. Além do site, as redes sociais também são ótimos meios de apresentação.

Por isso é importante investir ao máximo em estratégias de inbound, para tornar sua empresa conhecida na internet. Guardem isso: empresas que não estão no Google, não existem.

Preço alto

O preço pode ser uma objeção real do cliente, como também pode ser uma tentativa de conseguir preços mais vantajosos. São comuns as contrapropostas com pedidos de descontos, mas existem compradores que não dão margem à negociação, simplesmente comunicam a desistência da compra.

Reforçar o valor da solução, neste caso, apontando a razão pela qual o preço apresentado é justo, é o primeiro ponto a ser colocado pelo profissional de vendas.

Em alguns negócios, é possível trabalhar com uma margem para negociar valores. Se este for o caso, demonstrar flexibilidade é o segundo passo para conquistar o comprador. Assim, iniciam-se muitos processos de fidelização.

Mas para que esta abordagem seja possível, a equipe de vendas precisa ter autonomia, sem a necessidade de estar consultando o gerente, para saber qual valor sugerir. Entender a realidade do cliente e ajustar a oferta, tornando o contrato viável, é o melhor caminho diante da objeção do preço. 

Gostou, mas não vai fechar

Esse tipo de objeção pode ocorrer por inúmeras razões e é preciso tentar entender os reais motivos que levaram à falta de interesse do cliente, sem ser inconveniente ou desagradável.

Se a abordagem nesta situação não for feita de maneira assertiva, existe a possibilidade do cliente se sentir pressionado ou irritado com a insistência na negociação. Por isso, alguns pontos devem ser considerados, tais como: 

Conhecer o perfil do cliente;

Ser incisivo, sem ser agressivo ou indelicado, sobre as vantagens da solução;

Convencê-lo sobre a importância de fechar a venda naquele momento.

A diretoria não aprova a compra

Quando o contato com a empresa é feito com um alguém que não tem poder de decisão, esse tipo de objeção pode surgir. Por isso, nem sempre é possível avançar na negociação. O ideal é tentar conseguir chegar direto em quem decide.

Mas uma vez não conseguindo, é fundamental saber respeitar os limites do cliente e a sua autonomia decisória. Não adiantará pressioná-lo a tomar uma decisão que não cabe a ele e ainda colocar em risco a carreira ou a confiança do seu contato dentro da empresa, que pode ajudar a reverter a decisão da diretoria, futuramente.

10 fatores decisivos para evitar objeções de vendas

Como vimos, as objeções surgem de muitas formas e em diferentes fases do funil durante uma negociação. Tudo dependerá do perfil do cliente e do momento. 

Por isso, alguns fatores são essenciais para garantir o fechamento da compra. Destacamos os principais:

Entenda as necessidades do cliente. Ele deve sentir que você o vê como alguém a quem deseja ajudar a resolver um problema;

Apresente uma solução que atenda o seu problema, apresentando dados concretos;

Nunca confronte o comprador. Em vez disso, prefira utilizar estratégias e argumentos inteligentes para vencer a resistência;

Mostre conhecimento sobre a solução e as necessidades do seu negócio;

Apresente condições de contrato que viabilizem a compra, de acordo com a realidade da empresa do cliente;

Ofereça um atendimento qualificado, com marketing, vendas e departamento financeiro atuando em sintonia, sem gargalos ou falhas de comunicação;

Invista em Relacionamento de Marketing (Inbound), colocando sua empresa no topo das buscas online e suas soluções como referência no mercado.

Treine sua equipe de vendas com uma empresa especializada, qualificando seu pessoal para atuar com habilidade em diferentes situações.

Tenha ferramentas tecnológicas que ajudem a melhorar a qualificação do seu lead, como o CRM de Vendas. Isso reduz bastante as objeções.

Procure uma consultoria com expertise em Vendas e Marketing. O suporte de especialistas com larga experiência no mercado ajudará a construir uma gestão estratégica, com processos eficientes e resultados potencializados.

É bom lembrar que as objeções de vendas ou o não fechamento de um negócio são comuns, mas com um bom trabalho conjunto com as equipes de Marketing e Vendas, essas barreiras podem ser minimizadas!

Se você quer complementar seus conhecimentos sobre o assunto, assista à palestra de Lucia Haracemiv, no RD Summit, sobre Métricas, funis e Processos: o que aprendemos com 206 funis de marketing e vendas.

Invista no treinamento contínuo da sua Equipe de Vendas

A DNA de Vendas, empresa de consultoria comercial referência no país, tem um portfólio completo de cursos in company ou online, para capacitar o seu time de vendas e gerar resultados de impacto na sua operação. Entre em contato com um dos nossos consultores e saiba como preparar sua equipe para quebrar objeções e ampliar suas vendas!

Além disso, dentro da Inside Sales Academy, um programa completo e contínuo de treinamento para Equipes de Vendas B2B, temos aulas e módulos exclusivos sobre Objeções de Vendas e as melhores técnicas para contorná-las!

O post Objeções de vendas: o que são e como contorná-las  apareceu primeiro em DNA de Vendas.